Quinta-feira, 07 de Outubro de 2010

Pede-me o “Diário de Leiria” que descreva uma ideia para Leiria. Uma ideia nada resolve! O mundo de hoje não se governa com ideias avulsas; é governado em rede. Assim sendo, como já escrevemos noutras ocasiões, Leiria precisaria de um debate de ideias, cuja agenda deveria ter à cabeça, equacionar um novo paradigma conceptual da gestão, não só no que tange à coisa pública, como também da actividade privada.

 

E porquê? Porque a actividade privada claramente está refém da actividade pública, e urge concatenar procedimentos “em rede” onde cada um faz a sua parte. Ou seja, tais procedimentos mais não seriam do que regras conceptuais para o desenvolvimento social com vista ao crescimento económico. Os tão apregoados simplexes o trâmite tem que ser inverso.

 

Não obstante a situação de crise, Leiria contribuiu, em matéria de impostos, com sensivelmente, 7% para o OE. Ora quem paga impostos, assegura salários, faz investimentos e negócios e gera emprego, tem o direito de exigir celeridade e desburocratização de processos.

 

Então, para que o tecido empresarial vingue e recupere a força muscular perdida e não sucumba às mãos da inclemente burocracia, não pode ser visto, permanentemente, como a galinha dos ovos d’ouro, a quem por tudo e para tudo, se lhes e pede dinheiro.

 

Outrossim, hoje, é ponto assente, que para além destes constrangimentos, o sector empresarial privado jamais conseguirá alavancar os seus projectos – a sua gestão – numa banca que também constrange a iniciativa privada.

 

Embora existe uma banca de apoio, o dito private banking na prática fica muito aquém das necessidades das empresas, mesmo disponibilizando serviços de gestão.

 

Ora, Leiria desenvolver-se-ia muito mais – assim nos parece – se tivesse no seio empresarial uma sociedade financeira local, que avaliaria as performances das empresas em toda a sua extensão; necessidades de fundo de maneio, necessidades de fundos de investimento, produção de bens, nomeadamente os de substituição de importação – e por estes benefícios económico-fiscais eram concedidos -

 

Em conclusão o empresariado com ideias, capacidade empreendedora, arrojo, gosto pelo risco, teria por interlocutor um único parceiro que monitorizaria a actividade e faria análise de risco em permanência fazendo soar as campainhas em tempo oportuno, obviando uma certa fuga para a frente já impossível de travar e com consequências graves para outras empresas periféricas e até mesmo para a sustentabilidade do emprego.

 

Portanto, uma ideia para Leiria consubstanciar-se-ia num debate, agora mais oportuno que nunca, abordando o sector empresarial privado, e o sector empresarial do estado e concomitantemente criação de um parceiro de financiamento e controlo de gestão. Que seja a figura do “accountability-bank”!

 

Leiria, 2010.10.06



publicado por Leonel Pontes às 18:55
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO