Segunda-feira, 01 de Agosto de 2011

Ultimamente, amiúde, ouve-se dizer que o associativismo está em decadência; isto é, as pessoas estão a divorciar-se dos seus activos culturais; históricos, literários, desportivos ou tão-só de companheirismo.

 

Aliás, um dia destes dado órgão de comunicação referia mesmo a existência de mais de três dezenas de infra-estruturas desportivas sitas no concelho de Leiria votadas ao abandono; nalgumas dessas crescem restolhos que os coelhos aproveitam para se saciar.

 

Poder-se-á dizer que quando assim acontece - quando o associativismo entra em falência -, não é nem pode ser só culpa dos cidadãos; algo mais está a fomentar o abandono por tudo quanto foi construído, por vezes, ao longo de gerações.

 

É certo que hoje a sociedade oferece uma infinidade de meios de lazer (de menor esforço e máximos prazeres), nem sempre saudáveis. Há, muito lazer nocturno, muita partilha humana, muitos acidentes em horas mortas, muitos consumos de suplementos de estímulo a prazeres mortíferos aos quais nem a Amy Winehouse escapou.

 

Quando assim acontece dever-se-á ver o porquê? E, salvo melhor opinião o porquê reside nas muitas exigências burocráticas com imputação de responsabilidades, por vezes acompanhadas de extorsões financeiras, aos verdadeiros dirigentes associativos.

 

O único apoio que encontram dos órgãos de poder é o desprezo, o que leva à desmotivação; esta é que é a verdade!

 

Mas como assim? Tal seja, como exemplo, a tributação do porco oferecido à colectividade para angariação de meios de subsistência, ou o jovem que a pretexto de uma prática desportiva vê-se obrigado à colecta fiscal quando nada recebe, a não ser o ressarcimento de despesas efectuadas.

 

Agora que o governo mudou, é de esperar que a política desportiva seja revista em ordem a cercear o flagelo que está a crescer no país; de lés a lés.

 

Não são só as infra-estruturas que foram votadas ao abandono, são também e sobretudo os jovens que enveredam por caminhos de desgraça à falta de melhor ocupação.

 

E, se queremos um país novo, regenerado, uma juventude sadia que não traga custos de saúde pública, é preciso, reverter princípios políticos que só desmotivam aqueles que dispostos estão a trabalhar graciosamente em prol das suas terras e das uas gentes.

 

Com frequência diz-se que a única coisa que temos para oferecer a quem nos visita é o bom tempo. Mas esse não é nosso, não é um bem controlável, é um bem da natureza que nem sempre sabemos aproveitar.

 

Matérias-primas também não temos. O único bem que temos e também não aproveitamos convenientemente são os activos humanos; único recurso estratégico duradouro capaz de dar sustentabilidade ao país, passando pelas organizações do associativismo local, fonte geradora de crescimento económico e desenvolvimento social.

 

Leiria, 2011.08.01



publicado por Leonel Pontes às 16:32
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO