Quarta-feira, 13 de Março de 2013

 

O tema em título afigura-se oportuno de estudo e de debate com vista à compreensão dos efeitos produzidos no tecido empresarial português nos últimos anos. Sobre a questão porventura existirá literatura que cientificamente explique razões para as continuadas falências transversais às actividades económicas.


Nessa esteira, procurei razão de ciência expendida por especialistas, contudo, o que encontrei sobre a “teoria dos custos de falência” estava subsumido num artigo publicado já no longínquo ano de1967, no “the jornal of finance” (Americano) no qual Baxter defende “que um endividamento excessivo aumenta a probabilidade de falência”. Isto é, o recurso ao financiamento de actividades, quaisquer que sejam, têm de concorrer a jusante do processo para optimização dos índices de produção. Todavia, os pressupostos subjacentes àquela teoria e ao tempo em que foi expendida são intrínsecos apenas e só à estrutura societária.


Porém, o contexto social de hoje é outro. Para além dos custos intrínsecos à vida da empresa qualquer que seja a sua estrutura societária, os custos de falência tomam um cariz social, extrínsecos ao núcleo societário, tais sejam; custos associados à subsidiação do desemprego, milhares de horas de trabalho não produtivas, quebra de produção de bens, aumento de importações de bens de primeira necessidade e outros, redução da arrecadação pelo tesouro de impostos directo e indiretos e taxas, agravamento de carga fiscal para quantos ainda exerçam alguma actividade, aumento de doenças do foro psicológico e os inerentes custos medicamentosos, sem que aqui sejam abordados comportamentos sociais que desestabilizam do ambiente social.


Dir-se-á, pois, que actualmente os custos de falência, não têm repercussão apenas no seio das falidas, mas também e sobretudo funcionam numa vasta rede que interrompe uma cadeia valor acrescentado que haverá de ser suprido por outros atores desde o próprio estado a outros sistemas económico-social facto que causa uma onda tsunâmica cada vez dificil de sustar, causas que de um modo geral provocam o cerceamento na prestação de serviços sociais, como sejam; os de saúde, apoio social, segurança e outros.


Pelo que temos dado conta existe por parte do governo e dos seus consultores uma orientação em sede de “teoria dos custos de falência” que em vez de gerarem a motivação antes potenciam desmotivação e desorientação, até. Enquanto isso, reorganização do tecido económico-social, zero.

 

 Leiria, 2013.03.13



publicado por Leonel Pontes às 17:09
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO