Terça-feira, 01 de Maio de 2012

Desejando evitar a inquisição para proteger aquele que viria a ser um vulto da história, os pais fugiram de Portugal (século XVII) e assentaram arraias nos Países Baixos; Amesterdão, para porem a recato o menino Benedito Espinoza. Ali cresceu, foi educado, estudou e estudou outros vultos do saber como Sócrates, Platão, Aristóteles e outros.

 

Quando homem, o que queria (desejava) verdadeiramente, era um mundo melhor. E, daí a sua recomendação maior de que para viver uma vida bem vivida esta deveria alicerçar-se “num comportamento ético e um estado democrático”.

 

Os seus contributos para a sociedade holandesa foram de tal tomo que o seu retrato foi impresso nas notas de 1.000 florins e assim se manteve até à adesão da Holanda ao €uro, em 2002. Os portugueses são boa gente, simpáticos, amigos do seu amigo, bonacheirões até, mas daí até reconhecerem mérito a um estrangeiro colocando a sua esfinge na nota maior de Portugal é coisa difícil a admitir. Não é?

 

Os tempos, os séculos, foram passando e aqui chegados, sem o menor respeito por todos quantos fizeram a história, construímos um país que está de rastos, sem economia, com desistências no ensino, com encerramento de empresas, sem dinheiro, e tudo o mais que os senhores sabem. E porquê? Precisamente pelo que dizia Espinoza; não estamos a seguir nenhum sistema de comportamento ético, e menos ainda um estado democrático.

 

Não é satisfação para ninguém ser velho, mas é satisfação ter convivido com gente que fazia a sua economia sem dinheiro, facto que hoje nos permite perceber melhor a coisa, só por isso. Os portugueses até à segunda metade do século XX desenvolviam as suas actividades, nomeadamente agrícolas; sem dinheiro; recebiam e pagavam em “tempo”. Esta prática era chamada de trabalho a “merecer”.

 

É certo que os portugueses na ânsia de tudo terem, e pouco “merecerem” caíram num mundo de soluções fáceis, sem merecer o dinheiro que jorrava de algures. E se é certo que não há almoços grátis, não e menos verdade que não há dinheiro de borla. Agora temos de pagar não só o próprio mas também os juros.

 

Um dia destes ouvindo de viva voz o Reitor da Universidade de Coimbra, algo agastado – e com razão -, dizia que o orçamento da educação é uma pequeníssima importância quando comparada com os juros que o país tem de pagar .

 

Com efeito, contrariamente ao que algumas cabeças iluminadas foram incutindo noutras menos avisadas, para que um homem honre o seu nome, o da sua comunidade ou do seu país, deve honrar as dívidas pagando-as; gerindo-as. E, não gerá-las. Isto é o mínimo para que possamos “merecer” confiança.  

 

O que está a acontecer a Portugal é importante demais para ser deixado apenas nas mãos dos políticos. Todos temos de saber mais, todos devemos saber o que foi a história, todos deveríamos saber que Portugal já foi visto com a primeira “aldeia global” dando novos mundos ao mundo. Vamos morrer como soe dizer-se na praia; sem dinheiro, sem prestígio, sem economia; sem honra nem glória.

 

Vamos voltar a trabalhar as leiras, vamos viver ganhando a “merecer” porque temos o que merecemos. Confiámos em gente que se basta apenas si próprios, sem comportamento ético e sem democracia. Querem ditadura maior que esta (o que não é só culpa deste governo) que foi sendo alimentada por políticos de primeiro emprego?

 

E agora? Emigramos ou fugimos?

 

Leiria, 2012.05.01



publicado por Leonel Pontes às 18:45
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO