Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009

 

A porta principal estava sempre fechada à chave; quase a enferrujar. Só era aberta, pela visita pascal, ou quando muito quando havia visita muito importante. A porta de serviço era a do pátio. Ao sair de casa eram feitas, as habituais recomendações, “o último a sair; deixe a porta entregue (ver se ficava fechada)”.

 

Essa, a de serviço, e as do pátio; a adega, o palheiro, os currais do gado, tinham de ficar também entregues, com a “tramela”. Mas, o que era a tramela? Era um pequeno zingarelho feito de madeira (um pequeno braço) agarrado à porta, atraves de um prego conjuntamente com uma moeda antiga (dita de pataco. E, sabe se lá, quanto valor não teria hoje na numismática) a fazer de anilha.

 

Rodado o zingarelho este tinha de bater dentro de um encaixe aberto num outro pequeno pedaço de madeira e pelo efeito do encaixe tinha de dar uma batidela “treque”. Sem o característico treque a porta não estava entregue. Que ilusão de segurança, Santo Deus! Quem quer que viesse rodava o zingarelho e pronto, a porta ficava às escâncaras.

 

A que propósito vem agora à discussão a tramela e a ilusão de segurança que dava?

 

As tramelas não fechavam coisa nenhuma. E, ao abrir, o treque só fazia anunciar alguém que havia aberto a porta. Mas, o curioso, agora se dá conta, é que ninguém ousava roubar nada a ninguém, a vizinhança era gente de porte – saber-se que o vizinho tinha surripiado umas coisas do celeiro do outro, era uma vergonha. Agora outro galo canta. – E, os de fora, os passantes, não se afoitavam a levar troco pelas pernas.

 

Daquele tempo, aos nossos olhos retemos as engenhosas tramelas. Mas aos ouvidos, parece que ainda estamos a ouvir a tramela. Daí que, quando alguém fala muito, fala demais ou insiste em sobrepor a voz à dos outros, sempre nos vem à cabeça onomatopeico som, da tramela. Daí que ainda hoje se diz, cala-me essa tramela!

 

A nosso ver o pior mal que temos no país são os trameleiros; falam, falam e não dizendo nada, sobrepõem a voz e opinião à dos outros. Enfim! Quem tem opinião diz que aquela que é a sua, mas todos têm a sua, ninguém se entende, dizem que é um direito trazido pela democracia. E talvez seja, só não conseguimos ver o que é que tanta conversa, tantos trameleiros, trazem de valor acrescentado ao país.

 

É certo que, quem não quer ouvir afasta-se. Mas o problema nem passa por aí, o problema está no constante comentar, quiçá até exacerbar de notícia. E logo saltam os trameleiros, qual abutre de palreio, que tudo dizem mas nada fazem. Enquanto isto as portas do país estão às escâncaras. E, tudo vai acontecendo; uns roubam, outros vêm e fazem que não vêm, outros subornam. Enfim, o país caiu num lamaçal que urge sustar.

 

Com efeito, se nos for dado opinar também, diremos: investigue-se, julgue-se, prenda-se, retirem-se funções, deportem-nos para as profundezas dos ermos; ponham-nos a pão e água. Mas usem a descrição, celeridade, apliquem-se exemplares penas. E por fim e dêem-lhe publicidade. Até aí, os trameleiros que, em vez de retórica, dêem contributos; deixem-se de fazer a cabeça desse povo humilde, que já nem de tramela precisa, porque roubados de todo, já estão.

 

Leiria, 2009-11-25



publicado por Leonel Pontes às 17:20
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
26
27
28

29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO