Quarta-feira, 07 de Janeiro de 2015

Brevíssima introdução.

Aos nascidos fora do legítimo casamento, os do género masculino chamava ou chama o povo “bastardos”, (a quem também cognominam de pintos silveiros por haverem sido concebidos de actos amorosos praticados em meio silvestre). Já para as do género feminino eram cognominadas de barregãs. E assim, muitos/muitas foram postas ao mundo também pelos monarcas portugueses. Uma dessas foi Maria Aires Fornelos barregã (filha) de D. Sancho I que viria a ser, a seu tempo, mãe de Martim Gil.

Entre 1245 e 1248, Leiria esteve envolta numa crise na qual estivera envolvido Martim Gil, Tenente de Riba Minho e que para estas terras demandou em defesa de D. Sancho II, porquanto Leiria havia sido ocupada pelas tropas do infante D. Afonso. Nessa luta fora Martim Gil feito prisioneiro pelo seu irmão Vasco Gil. Posteriormente Martim acompanhou o rei em fuga para o exílio em Castela.

Tudo o mais que se passou no-lo aflora a literatura. Mas o que não nos diz é porque havendo sido Marim Gil um defensor das terras de Leiria em favor da coroa ficara ligado a esse período negro da história de Portugal e nessa senda ainda hoje (após mais de sete séculos) o seu nome está imortalizado numa das ruas da freguesia de Marrazes que por sinal inicialmente dava nome a uma outra artéria, e que mais tarde veio substituir a Rua da Pedreira.

Com efeito a história da hoje freguesia de Marrazes perde-se no tempo. Mais adiante a 1ª dinastia Afonsina ou de Borgonha viria a ter no seu 6º Rei D. Dinis (também ele farto procriador de bastardos e barregãs) a esta região trouxe um impulso económico ainda hoje muito falado porquanto para além da mata nacional providenciou a exploração de minas de cobre, prata, estanho e ferro e organizou a sua exportação para outros países europeus.

A região de Leiria sempre primou pelo empreendedorismo, um empreendedorismo que merecia estudo, ou no mínimo reflexão tertuliana pelos homens que como Martim Gil são os actuais porta-estandarte duma das regiões mais dinâmicas dos nossos tempos, embora em crise como fora o início da fundação de Portugal.

Por outro lado a dinâmica freguesia de Marrazes, agora aumentada pelo “encosta-te a mim”, como no-lo canta Jorge Palma, pela junção de Barosa, jamais seria o que é não fora o empenho, a luta, a perseverança dos homens de antanho. Outrossim o desenvolvimento das freguesias jamais se poderá alcandorar na constante reivindicação da política da soleira.

 Leiria, 2015.01.06



publicado por Leonel Pontes às 11:19
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO