Domingo, 05 de Outubro de 2003

Os letões, em referendo realizado há dias, votaram por maioria a sua adesão à União Europeia. De resto, a admissão da Letónia, bem como de outros nove candidatos, Polónia, Hungria, República Checa, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Lituânia, Malta e Chipre já havia merecido aprovação em Abril último por ocasião do meeting de líderes realizado em Atenas.

Com efeito, a Europa dos 15, passará à Europa dos 25, sendo certo que já se discutem novas admissões previstas para 2007; a Bulgária e a Roménia. Ou seja, a breve trecho estamos numa Europa económica de 27 países.

A geografia económica da união alterar-se-à, significativamente, com a progressiva entrada de novas economias, um mercado que passará a contar com sensivelmente 455 milhões de consumidores. Mas com tanto espaço, em verdade todos começamos a sentir que estamos a perder oportunidades no seio da Europa e estamos a iniciar um novo ciclo; estamos a comprar ameaças que, sem dúvida também afligem o tecido empresarial da nossa região.

Entretanto, com tantas alterações, por cá pouco se sabe e pouco se discute sobre a matéria. A nosso ver existe todo um vasto conjunto de questões que importa saber, nomeadamente, porque se impõem novas medidas até de estratégia económica a levar a efeito em ordem a melhorar a competitividade portuguesa, que obviamente passam por melhorias a introduzir na malha empresarial e também pela máquina administrativa portuguesa, no mínimo, tornando-a mais flexível.

Neste contexto e com vista ao reforço da estabilidade da união europeia, em tempo, a Comissão fez distribuir pelo Conselho, pelo Parlamento e pelo Comité Económico Social um documento versando “a política fiscal da União Europeia – prioridades para os próximos anos” importante e extenso documento que procura reorientar e cimentar princípios de harmonização no espaço económico da união.

E, mais recentemente a Comissão Europeia produziu um outro documento que visa implementar novas e mais eficazes medidas de controlo à fraude fiscal, pelo que é de concluir que o síndroma está em crescendo.

A questão do alargamento do espaço comunitário, para os portugueses, trará muitas ameaças e por isso impele-nos à reflexão e à participação, de contrário, como se lê na “europa desencantada” de Eduardo Lourenço a “europa é uma aventura intelectual “. E pode ser mesmo.

Leiria, 5 Ouubro 2003

 



publicado por Leonel Pontes às 11:23
O que se está a confirmar...

Para nossa desgraça, creio que podemos começar a concluir.

A Dívida Pública a crescer, a crescer...

....

Abço
António Nunes a 22 de Julho de 2015 às 12:05

A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Outubro 2003
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO