Sábado, 05 de Dezembro de 2015

Organizações são grupos sociais com fins e/ou sem fins lucrativos; “empresas”, bem como outras denominações, vulgo “instituições”. Mas, sejam lá o que forem, as organizações, todas elas, o que mais valorizam (qual vaca sagrada) é o crédito. E, por amor a este desiderato as gerências colocam-se literalmente nas mãos de entidades terceiras, sendo que os objectivos destas está na criação mecanismos em ordem a fazer transferir resultados “lucros” das primeiras para a esfera das segundas (supostos parceiros)

No passado a questão “organizações” tinham em vista a ética, ou seja todos deveriam de ganhar. Aliás a coisa até era vista por um prisma muito mais lato. “A confiança” deveria ser comum de dois. E, havendo confiança tudo decorria em ordem a uma coisa tão simples quanto fosse a efectiva “sustentabilidade” entre partes.

Contudo, nos tempos que correm, queimam-se horas e horas levando a termo estudos e demais análises dando mesmo lugar a mestrados e doutoramentos, tomando por base “n” variáveis na convicção de que ainda está por encontrar a árvore das patacas à qual se poderá recorrer de modo expedito com vista a colmatar brechas, provocadas na maioria da vezes, por atípicos actos de gestão, os quais nunca geraram, nem gerarão “lucros” em ordem à dita sustentabilidade das organizações de modo a que estas em tempo satisfaçam os compromissos assumidos.

Dir-se-á até que muitos modelos de gestão teimam em assentar o desenvolvimento das actividades no capital alheio (coisa fungível). Porém, temos duas outras variáveis muito mais seguras e mais lucrativas (embora não monetárias) mas muito mais de gerir tais como; a confiança e repito-me, a confiança que por seu turno confere maior sustentabilidade, como seja o “Capital Social Organizacional”

Dito tudo isto e tudo isto não é tudo facilmente se perceberá que o que mantém as organizações vivas é a confiança ancorada no capital social organizacional. Com efeito, as pessoas, a confiança, o objectivos, e a esperança de que o futuro é sempre mais promissor do que os tempos passados.

O que mantém as organizações vivas são pressupostos tão simples como a confiança onde por inteiro cabe no capital social organizacional. Com efeito, abrir as mentes ao futuro por via de formação comportamental.

Convém ainda dizer que este constructo “confiança” foi abordado pela primeira vez no século XIII d.C., cujas raízes etimológicas denotavam felicidade e lealdade. Porém, a confiança é tão antiga quanto as formas de associação humana. Aliás Confúcio (551-479 a.C.) já considerava a confiança como uma pré condição e base para todas as reações sociais, válidas.

Sem confiança, poderemos ter e temos todo tempo, mas não temos futuro.

Leiria, 2015.12.04.



publicado por Leonel Pontes às 11:12
A participação cívica faz-se participando. Durante anos fi-lo com textos de opinião, os quais deram lugar à edição em livro "Intemporal(idades)" publicada em Novembro de 2008. Aproveito este espaço para continuar civicamente a dar expres
mais sobre mim
Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO